PANTA(leoa) versus (m)ALVINO: A guerra está declarada; que comecem os jogos

06:43 Manno Costa 1 Comments



“A viatura foi chegando devagar
E de repente, de repente resolveu me parar
Um dos caras saiu de lá de dentro
Já dizendo, aí compadre, você perdeu
Se eu tiver que procurar você tá fudido
Acho melhor você ir deixando esse flagrante comigo

A letra da música Tribunal de Rua, de O Rappa revela o poder paralelo dentro do sistema, sua força e seu poder de persuadir e por medo nas pessoas.

Em Santa Rita existe um poder paralelo dentro do governo municipal, uma eminência, uma força que impõe o respeito através do medo.

Este poder responde pelo nome de Edjane Panta.

É com mão de ferro que a doutora vem fazendo o que chama de “limpeza”, na cidade.

Dias atrás, o jornalista Henrique Lima, do Blog do Ninja, trouxe à tona um imbróglio envolvendo a primeira-dama do município e o Secretário de Administração da edilidade.

Me pus de orelha em pé e passei a buscar informações sobre o que teria ocorrido, afinal ambos não só pertencem, como são o núcleo duro do governo Panta.

Depois de uma verdadeira aula de convencimento, consegui fazer com que a fonte abrisse a caixa preta.

E as razões são simples: dinheiro e (mais)poder.

Semanas atrás, o Sagres passou a implantar uma ferramenta nova no sistema de transparência e começou a informar os ganhos pessoais de cada servidor (efetivo, contratado, comissionado ou prestador de serviço).

Com isso, emergiu das profundezas da administração pública santarritense, altos salários, pagos indiscriminadamente.

Jane Panta, leoa que é, logo chamou na Administração o secretário Wendel, da Secdtur, Cultura, Desporto, Turismo e Lazer, do município, pasta onde se registrou os maiores salários pagos a servidores contratados, com ganhos entre 4 e 8 mil reais, para inquiri-lo sobre o que estava acontecendo, no que foi prontamente respondida de que não sabia do se tratava, que não autorizara tais pagamentos e que sequer sabe quem são aquelas pessoas, apressou-se em dizer o secretário à sua inquisidora.

Possessa, a primeira-dama resolveu tirar satisfações com o Secretário de Administração, Luciano Alvino, primo de Emerson e um dos mentores das maldades cometidas pela gestão, muitas delas, praticadas, inclusive, pela própria doutora, diga-se de passagem.

Quem presenciou a discussão diz que o clima esquentou quando os dois se encontraram.

Jane indagou Alvino acerca dos valores pagos a esses contratados, quem contratou, quem autorizou e quem pagou os valores exorbitantes, revelados pelo TCE, no Sagres, a partir deste mês.

Sob o clima de “quem é você pra me questionar?”, a chapa esquentou e a coisa ficou feia.

A resposta foi imediata: sou a primeira-dama da cidade, esposa do prefeito.

Jogo empatado, chama o voto de minerva.

Ambos recorreram ao óbvio e, para resolver o impasse, chamaram Panta que, com a eterna cara de “campeão, vencedor”, se fez surdo, mudo e cego, e saiu à francesa.

Ora, de um lado, seu mentor, secretário e primeiro-ministro da gestão, homem do Diário Oficial e representante do lado Alvino do jogo.

Do outro, simplesmente, sua esposa, a dona da banca. Apenas.

Ficou como quem procura o céu pra subir, esperou o arrebatamento e ele não veio.

O doutor tem praticado muitos pecados, não pode entrar no paraíso agora.

É a clara situação da música de Ney Matogrosso.

Corre ou fica??

O doutor não tomou lado. E a guerra foi declarada

Na gestão, os grupos vão se formando e as panelas aparecendo. É quando se começa a perceber e entender os porquês e as razões da gestão simplesmente não engrenar em plenos seis meses de governo.

É muito ego e muita autoridade pra pouca prefeitura.

E enquanto Panta paga salários astronômicos a simples contratados, os direitos dos servidores de carreira são negados, tolhidos e retirados, sem a menor cerimônia ou vergonha, porque, ao que parece, o doutor veio mesmo para fazer história, só não imaginávamos que tão cedo.

Cá entre nós, sinceramente, ainda acho que, por “razões óbvias”, a doutora leva ligeira vantagem sobre o primo.

No Prêmio Brasil de Turfe, se ambos fossem cavalos de corrida, eu ainda apostaria que a Dra. Panta leva essa.

Aguardemos as cenas dos próximos capítulos.

Por ora, o que se entende é que Santa Rita virou o Vietnã da família Alvino Panta.

“Com um salário suspeito
Endossando a impunidade à procura de respeito
Mas nesta hora só tem sangue quente
E quem tem costa quente
Era só mais uma dura
Resquício da ditadura
Mostrando a mentalidade de quem se sente

Autoridade neste tribunal de rua”

Um comentário: